Breve História do meu Mini...


Tudo começou hà uns anitos quando o avô de um amigo meu (com 12 anos) lhe oferece um mini para dar umas curvas á volta de casa...
É claro que a coisa não podia ter acabado bem, esse meu amigo teve um ligeiro toque de frente contra um poste e então os pais encostaram o carro mesmo á beira de minha casa.
Certo dia, pergunto eu : “Não me que vender o mini?”
- “Eu até to dava, mas para não ser dado... dás-me 5 contos e ficas com ele”


Não tenho fotos do carro como era, mas era muito identico a este...

E assim foi...

Toca a levar o carro para Celorico de Basto, para arranjar-mos a batidela... Ao arranjar a batidela... “AH já agora davamos um fuminho geral”...
Lá se começou a “enterrar” dinheiro no carro até hoje, e nunca estará a 100%.
O meu pai hoje em dia ainda diz : “Se eu tivesse gasto mais 5 contos em gasolina e uma caixa de fósforos é que eu tinha feito bem...”

Um aparte :
Fui aprendendo um coisa com os carros clássicos, e certo um amigo disse :
“Os clássicos são um poço sem fundo!”

A minha aventura pela competição (amador) surgiu por volta de 1998/99 quando um primo meu (que faz pericias) me convidou para participar num Troféu que “era” (infelizmente) organizado na região de Basto...
Lá comecei nestas andanças, logo desde inicio chega-mos á conclusão que, ou se gasta dinheiro e se põe as coisas em condições ou é melhor estar quietinho e não estragar.
Foi então que conheci o meu actual preparador Narciso de Almeida (preparador de Minis), em conversa : “Tenho lá uma cabeça de motor porreirinha para o teu carro, e com mais uma àrvore de cames isso ficava bem melhor...”
Lá fui eu parar para os lados de Ermesinde, mais propriamente Montes da Costa...

Em 2000, conheci um clube do qual ainda hoje (e espero ser para sempre) sou membro, que é o MiniPT... Onde arranjei bons amigos com a “doença” dos Minis e aprendi MUITA coisa sobre o grande carro que é o Mini.

Durante quase 3 anos andei nas andanças das pericias, evolui daqui evolui dali mas nunca era o suficiente, chegamos á conclusão que para andar nos lugares da frente tinha de fazer um investimento muito grande (mais de €10.000). Já habituado a ver provas do Campeonato Nacional de Montanha na minha região, fizemos contas, e vimos que com uma grande ajuda do PAItrocinio e consentimento da MÃEtrocinio a opção por este Campeonato seria o mais “acessível”...


Aqui fui assistir em 2001 a uma prova do Campeonato Nacional de Montanha na Rampa da Sra da Graça.

Mais uma vez... E assim foi...

Em 2002 e em 2003 fiz a prova de 6 horas de resistência em Braga de Clássicos, no conhecidissimo BART :-) (equipa esta criada por um conjunto de amigos que se conheceram no clube MiniPT).
Como não poderia deixar de ser, o carro era um Mini Cooper 1000.
Ao participar nesta prova foi um grande impulso para dar o próximo passo, participar no Campeonato Nacional de Montanha.


A equipa BART (Big Annoucement Racing Team)
Ora vamos lá ver...
Sérgio Areias - O piloto - Esse casaco está a precisar de mudar para uns tons de verde ;-)
Nuno Mota - O piloto
Mota Camões - O piloto
Vitor Vieira - O piloto
Francisco Santos Costa - O piloto e dono deste belo e bem preparado carro
Narciso Almeida - O preparador - mais conhecido pelo "Meistre" dos Minis
Sérgio Gomes - Team leader
Daniela Vieira - Team leader


Eu aqui ao volante...

Em 2003 tive a minha estreia, fazendo 5 provas do referido Campeonato, inscrevendo-me na Categoria 2 (Automóveis de Turismo Especiais, em que houve uma produção de 1000 unidades em 12 meses consecutivos) na Classe H3 (veículos com cilindrada > 1000cc e inferior a 1300cc).


Vitor Vieira (o meu ajudante)
Pedro Mota (o meu irmão)
Nuno Mota (Eu :-D )
O meu Pai (mais conhecido pelo PaiMota... já devia estar a pensar : "Qualquer dia ides ver...")

E prontossss... Se fosse a contar tudo o que se passou nunca mais saía daqui...

Aqui está... uma pequena história do que rodeia o meu Mini... é certo que milhentas "coisas", "coisinhas" e "coisonas" se foram passando... mas só posso tirar boas recordações...

VIVA OS MINIS